Dicas para desenvolver sua carreira e marca pessoal

Participantes do evento

No “IBEF Jovem Lab”, novo formato que estreou nesta terça-feira (30), especialistas orientarão ibefianos a desenvolver soft skills fundamentais para a carreira.

A primeira palestrante convidada foi Irene Azevedoh, que “está” como diretora de transição de carreira e gestão da mudança da Lee Hecht Harrison. O uso do verbo “estar” reflete a primeira lição da mentora: “Eu não sou o cargo, eu estou no cargo. Todos nós estamos em transição de carreira, independente de você ter um emprego neste momento ou não”, observou.

Confira algumas dicas e exercícios passados por Irene no IBEF Jovem Lab, para suceder em um ambiente corporativo em constante mutação, desenvolver a carreira e criar uma marca forte:

Aprofunde o autoconhecimento

“É imbatível aquele executivo que se conhece bem. Ao aprender sobre si mesmo, ele também aprende sobre o outro; entende em quais pontos precisa se aperfeiçoar, e fica mais fácil se relacionar com outras pessoas”, afirma Irene.

O autoconhecimento envolve entender sua história de vida e  seu repertório pessoal – a bagagem de crenças e valores que carregamos na vida. Segundo a especialista, as crenças representam o que acreditamos ser realidade, e influenciam o que pensamos e sentimos e sempre se tornam em profecias que se realizam.

As crenças podem ser impulsionadoras (positivas) ou restritivas (negativas). Exemplos de crenças impulsionadoras: “eu tenho sorte”, “sempre encontrarei uma solução para o problema”. Exemplos de crenças restritivas: “não consigo mostrar o que sou capaz”, “não mereço ser feliz”. Por isso, é importante abraçar as crenças que fortalecem, e trabalhar com energia para se liberar daquelas que limitam o desenvolvimento.

Exercício do Lab: Reflita sobre quais foram as crenças pessoais que o ajudaram a chegar aonde está. E mirando o futuro, defina quais crenças poderão impulsioná-lo a atingir os seus objetivos.

Descubra a sua missão

“O que há de mais moderno, em administração, é conseguir fazer um match total entre funcionário e empresa: quando a missão pessoal está junto da missão profissional. É o suprassumo da felicidade”, destaca Irene.

A missão é representada, em geral, como uma intersecção entre três pilares: paixão (o que amamos), fortalezas (o que fazemos melhor) e o que achamos que o mundo necessita, explica a diretora da LHH. Um exemplo é a missão da Disney: alegrar a vida das pessoas. “Tudo na empresa é voltado para o cliente, para que ele se sinta bem e aproveite o melhor que ela oferece.”

Unir a missão pessoal e a missão profissional exigirá do indivíduo trilhar um caminho de escolhas e renúncias – nem sempre fáceis ou possíveis no momento. Buscar a realização da missão pessoal fora da empresa, por meio de outras atividades, pode ser um bom começo. “Não é à toa que o empreendedorismo social está crescendo bastante”, lembra irene.

Exercício do Lab: Desenhe três colunas e liste em cada uma, respectivamente, aquilo que é: sua paixão, suas fortalezas, e o que você acha que o mundo necessita. Identifique o que está na intersecção entre colunas, e reflita sobre o que poderia ser a sua missão pessoal. Você está colocando essa missão em ação no trabalho?  A empresa possibilita um match perfeito entre missão pessoal e missão profissional?

Fortaleça seu networking

O maior ativo de um ser humano, em todos os tempos, é sua rede de relacionamentos, afirma a diretora da LHH. Networking engloba tudo: reunir informações, trocar informações, participar de organizações profissionais (como o IBEF SP), reuniões agendadas, conversas, obter indicações, etc.

Esse ativo pode ser potencializado com o uso da internet e das redes sociais. Mas o uso da tecnologia precisa ser consciente para que atue a favor da carreira. É preciso ter um objetivo primeiro, ensina Irene. “Avalie o que cada rede social poderá te proporcionar, dentro desse objetivo maior de carreira.”

Não há problema em convidar um profissional com um patamar de carreira mais elevado para tomar um café. O máximo que pode acontecer é ter o convite recusado. O único erro a ser evitado, frisa Irene, é pedir para a pessoa o que ela não pode oferecer. “Não vá para um encontro de networking para pedir um emprego. Em vez disso, pode pedir um conselho, uma orientação.”

Exercício do Lab: Crie o hábito de convidar, pelo menos 1 vez por mês, alguém diferente para almoçar ou tomar um café. Depois, poderá ampliar esse hábito para duas vezes por mês.

Crie a sua marca pessoal

A marca pessoal é a percepção que imprimimos nos outros. “É o que as pessoas falam sobre você quando você não está presente”, resume Irene, com bom humor. Usain Bolt, Richard Branson, Beyoncé e Steve Jobs são exemplos de pessoas com uma marca pessoal forte – amem ou não.

“O importante é ser autêntico. É impossível controlar o que os outros pensam de você. Mas você pode aperfeiçoar sua marca em cima da mensagem que quer passar”, explica a diretora da LHH. Exemplos de possíveis marcas pessoais: confiante, confiável, inovador, crível, carismático, competente, acessível, etc.

Para que a marca pessoal seja autêntica e apropriada para você, explica Irene, é preciso considerar: seu propósito, identidade, valores e crenças (o que nos motiva e porque acreditamos nisso), capacidades (quais métodos e estratégias usamos para reforçar essa marca), comportamento (como vamos mostrar a nossa marca) e contexto (onde é apropriado).

Exercício do Lab: Reflita sobre qual é a sua marca pessoal. Qual aspecto sobre si mesmo gostaria de enfatizar? Que mensagem gostaria de passar aos outros? Qual personalidade gostaria de projetar? Inspire-se em pessoas que são consideradas o ponto de referência no seu mundo.

Seja perseverante

Não existe idade para iniciar a jornada do autoconhecimento ou perseguir um sonho. Irene mostrou o exemplo da nadadora Diana Nyad, recordista do nado mais longo sem assistências. Em 2013, Diana completou a travessia de 166 quilômetros de nado no oceano entre dois países: Cuba e Estados Unidos. O feito veio aos 64 anos de idade, após várias tentativas frustradas.

“Não desista do seu sonho. Tudo é possível, desde que você queira e acredite. Trabalhe, persiga seus sonhos e as coisas vão acontecer – às vezes, não no tempo em que você quer, mas no tempo em que tem de ser”, completou Irene Azevedo, que continua a todo vapor na vida executiva, aos 62 anos de idade.

Gabriela Thomé foi sorteada para mentoring exclusivo com Irene Azevedoh

Sorteio – Ao final do IBEF Jovem Lab, Irene sorteou uma mentoria exclusiva para um dos participantes do evento. A agraciada foi a ibefiana Gabriela Thomé.

Próximos eventos – Em fevereiro, o programa de mentoring do IBEF Jovem retorna com força total! Os mentores do mês serão os CFOs João Paulo Faria (Microsoft), no dia 21, e Guilherme Cavalcanti (Fibria), no dia 27. Inscreva-se!

Deixe um comentário