Controladoria: as perspectivas para 2018 dos profissionais de finanças

fevereiro 26, 2018 6:41 pm Publicado por


As últimas notícias sobre o reaquecimento da economia, com retomada de crescimento por parte das empresas, suscitaram o interesse em saber a opinião de CFOs e Controllers sobre os cenários para 2018. Segundos executivos, membros da Comissão Técnica de Controladoria e Contabilidade do IBEF SP, apesar da recuperação das vendas em segmentos de mercado importantes, aliada a índices macroeconômicos positivos – o que contribuiu para cenários de seus planos estratégicos mais otimistas -, a recomendação de todos os profissionais é agir com cautela.

Os membros da Comissão Técnica não abrem mão de uma grande influência sobre a estratégia de seus negócios, através da parceria com todas as áreas, em especial vendas e operações, podendo contribuir com automação, agilidade, escalabilidade e eficiência. Assim, atuando para evitar declínio de resultados ou cenários negativos que levem novamente à tomada de decisões difíceis como se observou nos últimos anos.

Diego Camacho, CFO da Tishmann Speyer, está otimista em relação a 2018. “Acredito que algumas decisões de investimento que estavam em compasso de espera serão retomadas, ao meu ver, principalmente em empresas que possuem maior dependência do mercado local. Porém, é claro, que por tratar-se de um ano de eleições haverá maior cautela.”

Os profissionais de finanças, ressalta o CFO, além da inerente responsabilidade de manter a disciplina financeira e controles, precisam, mais do que nunca, fazer parte do business. “E para isso 4 palavras são importantes: automação, agilidade, escalabilidade e eficiência.  Essas ações são cruciais para conseguirmos tocar o dia-a-dia do “hard finance” e também ter papel importante na estratégia do negócio”, afirma Camacho.

Reunião técnica da Comissão de Controladoria e Contabilidade do IBEF SP

Para Marcelo Giugliano, CFO da Amazon Brasil, a perspectiva é de reaquecimento da economia e de saída progressiva do cenário recessivo. Como recomendação, Giugliano entende que os financeiros devem continuar a manter a cautela, com um ostensivo controle em custos e despesas para evitar que eventual deterioração de resultados, em razão de que cenários não previstos levem à tomada de decisões difíceis em suas organizações.

Silvia Xavier, gerente contábil da Hughes, vê uma grande oportunidade em renegociações de dívidas de empresas que estejam muito alavancadas. Ela concorda com a importância de revisar todos os elementos de custos e manter um bom controle sobre as despesas. “É importante investir no desenvolvimento de equipes e aproveitar o momento, em que há ainda excelentes perfis de profissionais em transição de carreira que possam ser contratados em cenários mais otimistas.”

Paula Raya, líder da Comissão de Controladoria e Contabilidade do IBEF SP, reforça que o momento atual exige o habitual planejamento estratégico e financeiro, com rigoroso controle sobre as margens e o capital circulante, e sem abrir mão da usual flexibilidade que os brasileiros têm em função de cenários políticos e econômicos indefinidos.

“Apesar dessa indefinição, cabe aos CFOs a atenção constante à análise de investimentos em tecnologia aliada às iniciativas que maximizem o potencial de crescimento de seus negócios, com foco em atrair e reter os melhores talentos do mercado”, completa Paula, que é CFO da Randstad Brasil.

A Comissão de Controladoria e Contabilidade do IBEF SP realiza reuniões técnicas periódicas para discussão de cenários e eventos com temas de interesse para CFOs e profissionais da área. Para saber como participar da Comissão, entre em contato com o IBEF SP pelo telefone: (11) 3016-2121.