Antes da decisão, finalistas do Prêmio O Equilibrista se confraternizam

Finalistas destacaram suas realizações no ano e pontos importantes de suas trajetórias profissionais

Em dezembro será revelado quem é o CFO do Ano, eleito por meio do voto dos associados do IBEF SP. Poucos dias antes do fim da votação eletrônica, encerrada no domingo, os finalistas do 33º Prêmio “O Equilibrista” se confraternizaram com vencedores de edições anteriores e membros do Corpo Diretivo do IBEF SP.

Finalistas do 33º Prêmio O Equilibrista

Durante o almoço de confraternização, realizado na última quinta-feira (24), os candidatos finalistas Clóvis Poggetti Jr., Vice-Presidente Executivo de Finanças e RI da Cielo, Marcelo Bacci, CFO da Suzano Papel e Celulose, e Simone Borsato, CFO da Elektro, destacaram suas realizações no ano e pontos importantes de suas trajetórias profissionais.

Eles também ouviram os relatos de “Equilibristas” agraciados em diferentes momentos, nas três décadas de existência do prêmio, sobre o sentimento de obterem este reconhecimento dos pares, carregado de significado profissional e pessoal. Uma emoção revivida a cada lembrança.

O Prêmio O Equilibrista | CFO do Ano é considerado a mais representativa láurea destinada aos CFOs no Brasil. A 33ª edição conta com o patrocínio de Bradesco Corporate, Deloitte, IBM e Omint. O troféu “O Equilibrista” é obra do artista Osni Branco.

 

Eficiência e inovação

Clóvis Poggetti Jr., VP de Finanças e RI da Cielo

“Um dos Equilibristas comentou que esse reconhecimento é como uma coroação da carreira. É o que eu sinto com essa indicação: coroando um ciclo de muitas realizações relevantes, em um ano muito difícil e desafiador”, disse Clóvis Poggetti Jr, que está pela segunda vez entre os finalistas do Prêmio. Em 2016, foi eleito pelo quinto ano consecutivo o melhor CFO da América Latina, pela Institutional Investor Magazine.

Confira o currículo e as principais realizações de Clóvis Poggetti Jr.

Dentre as principais realizações em 2016, o CFO destacou a criação da Central de Eficiência, grupo de trabalho com atuação em áreas diversas, sendo responsável por identificar oportunidades e propor medidas para a redução de desperdícios. Todas as economias geradas para a empresa representaram, em valor intrínseco, 2,5 bilhões de reais, observou Poggetti Jr.

Outra realização é que neste ano a Cielo lançou seu Fundo de Investimento em Direitos Creditórios – FIDC, visando criar mais um instrumento para viabilização e manutenção de uma relevante linha de negócio (a aquisição de recebíveis – ARV), e endereçar questões regulatórias da indústria. Constituído há pouco mais de três meses, o fundo já ocupa a segunda posição entre os FIDC, contando com aproximadamente 5 bilhões de reais em ativos.

Clóvis Poggetti Jr. (Cielo)

Poggetti Jr. ressaltou o fato de a Cielo ter sido reconhecida em outubro deste ano como uma empresa “Top-5 em criação de valor”, no segmento de Tecnologia pelo BCG (The Boston Consulting Group). Também mencionou que a Cielo foi uma das três empresas brasileiras citadas na publicação internacional “BCG Value Creators Report”. “De 2011 a 2015, mesmo com todos os altos e baixos do mercado, a companhia gerou 33,4% de retorno ao ano ao seu acionista”.

O Vice-Presidente de Finanças e RI da Cielo acrescentou que a indicação ao prêmio representa a coroação do trabalho desenvolvido. “Vejo-me aqui como um representante de entregas que foram feitas com a contribuição de um grupo enorme de pessoas ao longo da minha carreira. É uma honra novamente estar aqui com o reconhecimento dos pares”.

 

Pioneirismo e simplificação

Marcelo Bacci, CFO da Suzano Papel e Celulose

“Foi muito legal ouvir a história dos Equilibristas dos anos anteriores e a experiência deles. Participar desse processo é muito bom porque nos faz refletir sobre como construímos a nossa carreira”, afirmou Marcelo Bacci.

Confira o currículo e principais realizações de Marcelo Bacci.

Dentre as realizações no ano, Bacci destacou o fato de a companhia ter sido em julho deste ano a primeira a fazer uma emissão de green bonds em dólares na América Latina (US$ 500 milhões) – operação que está entre as finalistas do Prêmio Golden Tombstone do IBEF SP. O selo de Green Bond é concedido a empresas com práticas de sustentabilidade no estado da arte “Foi um negócio pioneiro que exigiu muita dedicação da equipe”.

Marcelo Bacci (Suzano)

Bacci ressaltou ainda o Projeto Simplificar, voltado a identificar e corrigir problemas na companhia, em que finanças é um facilitador, ouvindo todas as áreas. “Este ano conseguimos fazer muitas iniciativas de desburocratização dentro da empresa para tornar a vida das pessoas mais fácil e os custos mais baixos. Essa iniciativa me dá bastante orgulho porque conseguimos avançar bastante”.

Outro fato destacado pelo CFO da Suzano foi ter uma integrante de sua equipe, Laís Meduna, como a vencedora deste ano do Prêmio Revelação em Finanças IBEF SP / KPMG. Segundo o líder, foi um desafio estimulante para todo o time, especialmente para a profissional.

A notícia de estar entre os finalistas do Prêmio O Equilibrista teve uma repercussão muito positiva junto aos colaboradores da empresa, contou Bacci. “Estamos aqui representando um grupo de pessoas, temos essa responsabilidade para com elas. É uma experiência muito bacana”, completou o CFO da Suzano.

 

Planejamento e gestão de pessoas

Simone Borsato, CFO da Elektro

“Estou feliz e lisonjeada com a indicação. É um orgulho muito grande, um reconhecimento não só a minha trajetória profissional, mas também para todo time Elektro e aos profissionais que passaram pela minha carreira e que contribuíram para minha formação”, afirmou Simone Borsato. Ela ressaltou que estar entre os três finalistas, dentro de um universo de cerca de 850 associados do IBEF SP, é um reconhecimento enorme.

Confira o currículo e principais realizações de Simone Borsato.

Simone destacou que mesmo em um cenário desafiador do setor elétrico, o time de finanças da Elektro conseguiu se antecipar e fazer captações com custos atrativos, mantendo indicadores financeiros robustos e liquidez diferenciada. Como exemplo de captação atrativa, destacou a linha de financiamento junto ao Banco Europeu de Investimentos (BEI) de 150 milhões de euros no valor total, em uma operação de 11 anos – que concorre ao Prêmio Golden Tombstone do IBEF SP, com custo final de 76,5% do CDI.“Essas captações proporcionaram liquidez importante para a companhia, ajudando-a a atravessar pelos momentos de dificuldade do setor”.

Simone Borsato (Elektro)

Outro ponto diferenciado é o trabalho de gestão de OPEX da Elektro, que disseminou conhecimentos financeiros e envolveu 100% da organização em um grande projeto de busca de eficiências, e com isso conseguiu reduzir 22% de seu OPEX nos últimos 4 anos. Além disso, utilizou o Workshop de Estratégia para construir com sua equipe própria o Orçamento 2017 no formato OBZ, atingindo uma eficiência adicional de 10%.

Em julho, o time financeiro da Elektro assumiu todas as atividades financeiras da Holding do Grupo Iberdrola no Brasil, com a criação da Elektro Holding, que passou a ser responsável pela consolidação de 69 empresas no Brasil e gestão financeira de 10 dessas empresas.

Outro destaque do ano é o fato de a Elektro ter sido premiada, pela sexta vez, como a “Melhor Empresa para se trabalhar no Brasil”, pela pesquisa Great Place to Work (categoria Grande Porte). Isso se dá em função de uma política diferenciada de gestão de pessoas, que visa estimular os colaboradores, desafiando-os a contribuir e a crescer profissionalmente, observou Simone, política que não só se preocupa com o ambiente de trabalho, mas sim como isso contribui para a rentabilidade e sustentabilidade da empresa.

A CFO da Elektro também ressaltou a importância da postura ética na vida do profissional de finanças. “Acredito que somos exemplo para nossos times, por isso nossa responsabilidade é enorme. Nosso país precisa de bons exemplos, de profissionais que tenham a excelência técnica, e que complementem isso com a seriedade e a ética que nossa função exige.” Ela destacou que a ética também esteve presente nos discursos dos vencedores das edições anteriores, profissionais que são exemplo e que engrandecem nossa profissão. “Após ouvir todos os Equilibristas, me sinto ainda mais lisonjeada com a indicação, e orgulhosa de fazer parte deste grupo, com certeza os indicados já são vencedores.”

 

MENSAGEM DOS PATROCINADORES

“Os finalistas são todos profissionais destacados em seus setores. Apoiamos a política do IBEF SP de divulgar as melhores práticas de gestão financeira e compliance. O Instituto é celeiro de formação de pessoas e esta parceria nos ajuda, como banco, a melhorar nosso nível de interlocução com os executivos de finanças”, por Paulo Manuel (Bradesco Corporate)

“Parabenizamos todos os CFOs, pois este foi um ano realmente desafiador. Nossos parabéns aos três finalistas. Estamos honrados em participar deste evento e contribuir para que seja um contínuo sucesso”, por Othon Almeida (Deloitte)

“Temos um apreço muito grande pelo IBEF SP, é uma parceria de muitos anos e compartihamos os mesmos valores. Parabenizamos os finalistas e ressaltamos que todos os CFOs devem se sentir vitoriosos por suas realizações este ano”, por  Serafim de Abreu (IBM)

“O Grupo Omint é parceiro de longa data do Instituto e parabeniza os finalistas do prêmio O Equilibrista. Referência no Brasil em oferta de serviços de alta qualidade, o Grupo Omint atua no país há 35 anos oferecendo o que há de mais exclusivo em saúde, odontologia, seguro de vida e seguro viagem. Para atender aos clientes mais exigentes, adotamos uma visão integral em todos os processos de saúde, bem-estar e proteção”, por Fabiano Vidal (Omint)

(Reportagem: Débora Soares / Fotos: Mario Palhares/IBEF SP)

Compartilhe: