CFO Forum 2018: CEO e CFO devem trabalhar juntos para viabilizar a transformação digital

Os executivos de finanças devem ser protagonistas no processo de transformação digital de suas empresas. Essa foi a grande mensagem da décima edição do CFO Forum 2018, realizado por IBEF-SP e IBM Brasil nos dias 15 e 16 de setembro, em São Paulo.

A décima edição do evento mostrou casos reais de aplicação de tecnologias disruptivas em modelos de negócios, contados por executivos diretamente envolvidos nesse processo. Ao longo de um dia e meio, os líderes financeiros convidados pela IBM assistiram aos cases e discutiram inovação e possibilidades de aplicação prática de inteligência artificial (IA), Big Data, computação em nuvem, internet das coisas (IoT) e blockchain em seus negócios.

Trazendo o exemplo da própria IBM Brasil, o CEO, Tonny Martins, destaca o quanto a parceria entre CEO e CFO é fundamental para impulsionar essa mudança de paradigma. “Grande parte das minhas discussões com o nosso CFO, Serafim de Abreu, não são sobre cash, profit ou revisões… Mas sobre a transformação da empresa. Muitas vezes, eu tenho que segurar ele nas ideias sobre investimentos, transformação do time de vendas, do time de design de produtos”.

Martins relatou a profunda mudança vivenciada pela corporação, de uma organização que foi por muito tempo focada em infraestrutura e vendas para uma companhia que está intimamente ligada à transformação dos clientes: entendendo seus problemas de negócios, participando e coinvestindo no desenho de soluções e tomando o risco de toda a implementação.

“Só é possível fazer uma transformação profunda em nossa empresa porque eu tenho ao meu lado um CFO parceiro: alguém que não diz apenas ‘não’, mas coloca os riscos, aterrissa as discussões, e está comigo nessa jornada, realmente preocupado em fazer ela acontecer”, ressalta o CEO. “A transformação digital é muito mais um desafio de timing, execução e cultura do que tecnológico”.

A tecnologia como parceira do CFO – “Eu sou CFO há 30 anos; somos administradores de recursos escassos. As ferramentas tecnológicas nos ajudam a melhorar essa gestão. Ao ver as inovações implementadas, ficamos otimistas em relação ao futuro das empresas e a como reagir nesse ambiente de mais concorrência e dificuldades”, destaca o presidente do Conselho de Administração do IBEF-SP, Luis Schiriak. “Parcerias longevas como a construída com a IBM Brasil são a alma do Instituto e refletem o tripé que nos direciona: conhecimento técnico, networking e amizade”.

Marco Castro, presidente da Diretoria do IBEF-SP, sublinha que esta edição do CFO Forum repetiu o sucesso da troca de conteúdo e networking de alta qualidade, com a inclusão de CFOs que não haviam participado de edições anteriores. “A dinâmica, o envolvimento e a participação de todos foram muito grandes. Encerramos com a certeza de que foi um evento de muito impacto e as pessoas vão refletir e lembrar bastante dele”.

Tecnologia cada vez mais acessível – “Quando falávamos há cinco anos das possibilidades da inteligência artificial para os executivos, parecia ser algo de outro mundo”, destaca Serafim de Abreu. “Hoje conseguimos tangenciar esses temas com casos reais. Clientes da IBM relataram como iniciaram a jornada de transformação digital em suas organizações e os resultados já obtidos com esse trabalho”.

Abreu ressalta que a tecnologia não é mais uma barreira econômica. “O custo está caindo, tornando-se algo possível para qualquer empresa. Cabe a nós dar o pontapé inicial: o CFO é o agente dessa transformação”.

Mais valor para o cliente, mais receitas para as empresas – Os cases apresentados mostraram como empresas têm revolucionado seus modelos de negócios com o uso da tecnologia, focando na experiência do cliente e melhoria de processos. Maior fabricante de eletrodomésticos do mundo, a Whirlpool, por exemplo, tem ampliado suas fontes de receitas e agregado mais valor à marca criando produtos digitais juntamente aos físicos (ex: lançamento da cervejeira conectada com app), saindo na frente no mercado de IoT.

A companhia siderúrgica Gerdau apresentou a plataforma de IA nomeada “ISA”, que possibilitou extrair valor do Big Data e automatizar processos para reduzir de dias para horas (e até minutos) o tempo de análise e resposta às consultas feitas pelos clientes, capturando mais oportunidades de venda. Já O Boticário utilizou IA e machine learning para desenvolver com a IBM um modelo integrado de planejamento da demanda de produtos, proporcionando maior agilidade e flexibilidade à cadeia de suprimentos, aumento da assertividade nas previsões e redução de níveis de estoques e índices de quebra dos itens mais desejados.

“Bom dia, CFO” – O último dia do evento contou com palestra do jornalista Rodrigo Bocardi, apresentador do Bom Dia São Paulo. Ele compartilhou as inovações realizadas em seu trabalho no telejornal e convidou os participantes a fazerem uma reflexão sobre como vencer resistências para gerar transformações.

Avaliação dos participantes

Rogério Menezes, CFO da Smurfit Kappa Brasil, avaliou o evento como extremamente provocativo. “Todos os anos em que participo do CFO Forum, saio pensativo e neste ano não foi diferente. Gostei do formato mais inclusivo desta edição, que proporcionou mais discussões e estimulou o comprometimento e o engajamento das pessoas, na medida em que tivemos de nos envolver no debate e apresentação de cases. Nosso grupo discutiu o case do O Botícário, que nos chamou bastante atenção e me pareceu o mais interessante. Todos os conteúdos foram muito bons, em especial os que clarificaram temas como IA e deep learning”.

A variedade de aplicações práticas das tecnologias apresentadas chamaram a atenção de Vitor Fabiano, CFO da Fast Shop. “Muitas delas conseguimos visualizar como algo que, com algumas adaptações, podemos levar para o ambiente da nossa empresa”, observou o executivo, ao destacar especialmente o case de planejamento de demanda de O Boticário. “O principal sentimento que levarei daqui é a vontade de fazer alguma coisa prática logo, que possa ajudar o negócio, com todo esse arsenal de tecnologia que a IBM disponibiliza para nós”.

“Foram discussões bastante ricas e mais do que isso: esse ambiente colaborativo e de debate abriu a mente para pensar em novas iniciativas e, em alguns casos, até mudar o rumo de alguns projetos que já estão em curso”, afirmou Alexandre Otomo de Almeida, representante da Via Varejo. Dentre as aplicações que mais chamaram sua atenção está o uso de IA na área de finanças, para temas tributários, também em áreas ligadas à experiência e o relacionamento com o cliente.

Alceu Albuquerque, representante da Sicredi, avalia que todas as discussões foram muito positivas e inspiradoras. “Elas nos fizeram sair daqui ‘incomodados’: há muita coisa para se fazer e muitas oportunidades. Excelente evento, excelente networking e, principalmente, palestrantes de muita qualidade”, destacou. “O case de O Boticário, mostrando como o uso de IA pode melhorar a acuracidade e predição de orçamentos, sem dúvida pode ser algo aplicável para nossa companhia”.

 

 


 

Compartilhe:

Deixe um comentário