Lais Meduna vence o Prêmio Revelação em Finanças

A executiva da Suzano apresentou modelo inovador que permite à empresa concluir o orçamento em apenas dois dias

Lais Motti Meduna, 31 anos, é a vencedora da 13ª edição do Prêmio Revelação em Finanças IBEF SP/KPMG. O anúncio foi feito no almoço de premiação realizado nesta sexta-feira (21), no hotel Unique. O evento teve ainda palestra do CEO do Grupo Kroton, Rodrigo Galindo.

Coordenadora de Gestão de Desempenho na Suzano, Lais Meduna conquistou o primeiro lugar com o trabalho “Um Ano em Dois Dias – Introduzindo: Ebitda Day”. O modelo inovador possibilitou à empresa concluir o orçamento em apenas dois dias. Ao diminuir o tempo e o esforço gastos nessa atividade, a inovação deu mais oportunidades para os profissionais focarem nos resultados e na entrega de projetos.

Clique aqui para acessar os trabalhos finalistas da 13ª edição do Prêmio Revelação em Finanças IBEF SP/KPMG 

Lais Meduna segura o troféu “Revelação em Finanças”, ao lado de Pedro Melo, presidente da KPMG. A escultura é obra do artista Osni Branco

“Agradeço ao IBEF SP e a KPMG pela oportunidade e aos meus gestores, Vitor Tumonis e Marcelo Bacci, por confiarem em mim e por acreditarem que eu poderia entregar esse projeto”, afirmou Lais, que já colhe os frutos de um trabalho bem-feito em apenas dois anos dedicados à área financeira, após uma carreira construída em auditoria.

Exigente consigo mesma, como ela descreve, Lais considera esta vitória também pessoal. “É provar que sou capaz e ter a confiança para crescer cada vez mais”, contou, lembrando também que representa um número ainda pequeno de mulheres em finanças.

Lais recebeu o troféu “Revelação em Finanças”, criado pelo artista plástico Osni Branco, e foi premiada com R$ 15 mil, associação gratuita ao IBEF SP por um ano, e uma bolsa de estudos para o MBA Executivo em Finanças Saint Paul | New York Institute of Finance, dentre outros benefícios.

Incentivo ao talento – O CFO da Suzano, Marcelo Bacci, representou a companhia ao receber o prêmio “Incentivo ao Talento a Jovens Executivos em Finanças”, concedido à organização em que o vencedor atua. “A empresa tem se preocupado muito nos últimos anos em ser uma companhia atrativa para os jovens talentos”, afirmou Bacci.

“Ver um de nossos profissionais ganhar esse prêmio é um sinal de que estamos acertando na gestão de talentos: estamos atraindo as pessoas certas e dando oportunidade para elas crescerem”, completou o CFO da Suzano.

Menções honrosas – Os finalistas homenageados com menções honrosas foram o trio Bruno Zatz, Daniel Piccolli e Gustavo Jorge, da IBM, com o trabalho “Pricing Snap!”, e a dupla Everton Santos e Rogerio Ferreira, da Natura, autores de “Mapa de Perdas de Manufatura”.

Equipe da IBM, finalista do Prêmio

“Esse momento coroa um trabalho feito com muita dedicação internamente, e agora damos um passo à frente com esse reconhecimento externo”, afirmou Daniel Piccolli, 34 anos, líder de pricing da América Latina da IBM, lembrando que o trabalho da equipe já foi premiado pela companhia por sua inovação em finanças.

“O reconhecimento é motivador, tanto pessoal como profissional”, acrescentou Gustavo Jorge, 26 anos, analista de pricing da IBM. “É um selo de qualidade interno, que alavanca a carreira e mostra que somos engajados e capazes de assumir posições de liderança no futuro”, completou o também analista Bruno Zatz, de 25 anos.

Dupla da Natura, finalista do Prêmio

“Nunca tive um reconhecimento desse tamanho”, afirmou Everton Santos, 29 anos, coordenador financeiro de supply-chain da Natura. “É muito gratificante ver a nossa empresa, sempre reconhecida pelo aspecto social e ambiental, ganhar visibilidade também na área de finanças”.

Foi um trabalho iniciado do zero, não havia cases semelhantes no mercado, adicionou Rogerio Ferreira, 31 anos, coordenador de excelência industrial da Natura. “É algo que trouxe muitos resultados positivos para a empresa, e que vou levar como modelo de gestão de projetos e negócios para o resto da minha carreira”.

PESSOAS E CULTURA: A CHAVE PARA EXTRAIR VALOR

O CEO do Grupo Kroton Educacional, maior empresa global de ensino superior, foi o palestrante convidado. Rodrigo Galindo se define como um “apaixonado por educação”, e trabalha desde os 13 anos na área. “Acredito que a educação muda o mundo e isso está no nosso lema. Na companhia não há espaço para quem não acredita nisso”.

Rodrigo Galindo, CEO do Grupo Kroton

Galindo compartilhou os aprendizados de sua trajetória profissional, iniciada na faculdade fundada por sua família, em Cuiabá, passando pela profissionalização da gestão, abertura de capital e venda para a Kroton em 2010. Sete meses depois, Galindo assumiu como CEO da organização. Ele contou os desafios do turnaround da companhia, pulverização do controle, e a sequência vertiginosa de associações e aquisições.

“Fazer integração de ativos e geração de valor é uma competência da Kroton que se tornou benchmark nacional”, contou Galindo, acrescentando que a cada dois anos a companhia dá um passo disruptivo. O mais recente foi a associação com a Estácio, anunciada neste ano, e que confirmará a liderança mundial do grupo com 1,6 milhão de alunos.

Galindo: “Pessoas e cultura são fatores-chave para o sucesso de uma integração”

“O segredo para o nosso sucesso é perceber que pessoas e cultura fazem toda a diferença em uma integração”, destacou Galindo sobre o modelo de gestão vencedor para extrair valor das fusões e aquisições.

“Parabenizo ao IBEF SP e a KPMG pela iniciativa do Prêmio Revelação em Finanças. Esse tipo de premiação estimula que resultados excepcionais apareçam nas empresas”, completou o CEO.

Valorizando talentos há 13 anos

Um recorde marcou a 13ª edição do Prêmio Revelação em Finanças IBEF SP/KPMG. Foram 35 trabalhos inscritos, enviados por 20 empresas e instituições de ensino.

José Cláudio Securato, presidente do IBEF SP

“O Prêmio Revelação em Finanças é a mais importante iniciativa desta natureza no Brasil”, destacou José Cláudio Securato, presidente da Diretoria Executiva do IBEF SP. “É um prêmio não só para o presente, reconhecendo os talentos que estão nas organizações, mas também para o futuro: ter um País melhor valorizando as novas gerações”.

Foi uma grata satisfação perceber que todas as empresas participantes estão investindo em novos talentos, dando oportunidade para que eles floresçam”, afirmou Pedro Melo, presidente da KPMG. “Um dos objetivos do Prêmio é mostrar isso”, completou, agradecendo o incentivo dos CFOs aos seus times.

Luiz Calado, coordenador do Prêmio

A cada ano o interesse por este prêmio aumenta. O número de inscritos foi 60% superior em relação às últimas edições”, destacou o coordenador da premiação, Luiz Calado. “Sempre procuramos inovar em algum aspecto”.

Mario Mafra, coordenador da banca, fez uma menção especial a José Roberto Securato, um dos idealizadores do Prêmio. “Foi uma honra coordenar o trabalho da Banca Examinadora, e agradeço a todos os executivos e acadêmicos que participaram pela dedicação e entrega”, completou Mafra.

(Reportagem: Débora Soares / Fotos: Mario Palhares/IBEFSP)

Compartilhe: