O CFO deve agir com business acumen, afirma o líder financeiro da Olin Chemical para a América Latina

Irineu Vasconcelos, CFO da Olin Chemical para a América Latina, foi o mentor convidado para o encontro do IBEF Conecta – Jovem, realizado no dia 11 de agosto. Com entusiasmo e jovialidade, Vasconcelos realizou uma palestra muito interativa, ouvindo os participantes e compartilhando as lições de vida que aprendeu ao longo de sua rica trajetória profissional.

Irineu destacou que não se vê apenas como um CFO, mas um LFO – Leader Financial Officer, pois é mais importante ser líder do que simplesmente ser um chefe.

A live teve como hosts Bruno Damasceno e Paula Camargo, do IBEF Conecta – Jovem, sendo patrocinada pela empresa parceira Antecipa, representada por Lucas Guedes. 

A Antecipa é uma solução do mercado de antecipação de recebíveis com foco no caixa do sacado. Funciona removendo o intermediário financeiro da relação entre fornecedor e comprador, possibilitando ao fornecedor acesso a capital de giro mais barato e ao comprador maior retorno do caixa. “Atendemos toda a curva ABC de fornecedores das empresas clientes, oferecendo diversas soluções. Estamos muito felizes em patrocinar esse evento”, disse Lucas Guedes, acrescentando que a companhia passou a integrar o Grupo XP recentemente.

Ciclos – Irineu começou a palestra relatando suas origens familiares e comparando com a atualidade, destacando o fato das mudanças comportamentais e sociais que ocorrem ciclicamente. “Tive quatro irmãos e a maioria das pessoas mais jovens já não tem mais quatro irmãos. Podemos notar aí um exemplo das mudanças que vão ocorrendo ao longo dos tempos”, disse.

Ainda muito jovem, ele já tinha clareza sobre qual carreira gostaria de seguir: tornar-se um profissional de sucesso na área financeira. “Desde criança eu tinha uma mente focada e voltada para o futuro. Eu via aqueles homens na televisão bem vestidos, bonitos. Eram financeiros, funcionários de bancos e pensei que era aquilo que eu gostaria de fazer”, lembrou.

Formação – Irineu destacou a importância de se manter informado e buscar aprimoramentos ao longo da vida. “Eu gosto de ler, estudar, ficar informado com as notícias e estar sempre conectado, aprendendo coisas novas. Eu cursei administração de empresas e a universidade também me abriu muitas portas do conhecimento e da busca de crescimento na carreira”, disse Irineu, que possui também pós-graduação em finanças pela FGV.

Prática – Irineu começou sua carreira profissional trabalhando no Banco Nacional, passou pela Lion Brasil, e posteriormente, ingressou no ramo químico – setor em que atua até hoje – aceitando o emprego na Rohm and Haas Quimica. Em seguida, atuou na Dow Chemical até assumir a atual posição de CFO da Olin Corporation. Ele ressaltou que a atitude da prática, o “do it by yourself”, foi uma importante aliada para seu crescimento profissional. “Fiz vários treinamentos e cursos de aperfeiçoamento, angariando conhecimento ao longo dos anos, mas o diferencial foi o aprendizado prático que vivenciei”, contou.

Mentores – Segundo Irineu, os mentores podem estar em vários lugares e etapas da vida: na família, em colegas durante sua carreira profissional – como Maurício Rodrigues (Bayer) – ou mesmo figuras públicas como Bill Gates e Salim Mattar. “Às vezes em uma frase deles você captura uma mentoria. Eu tive vários mentores. Ter essas referências contribui para nossa capacidade de aprendizagem e nos dá força para podermos desenvolver a nossa carreira profissional”, afirmou o executivo.

Valorização das pessoas – Irineu afirmou que sempre lhe preocupa o fato de como conseguir motivar as pessoas, sejam de diferentes gerações, experiências e mentalidades, em um contexto no qual as organizações têm muito menos cargos hierárquicos. “Precisamos sempre dar aquela ¨cenourinha¨ a mais. A cada ano, procuro passar para os profissionais do meu time alguma coisa diferente para fazerem, para que vejam que têm importância. O grande segredo é sempre motivar as pessoas para elas se sentirem úteis.”

Liderança e chefia – O executivo destacou a sua visão sobre chefia e liderança, dizendo acreditar que prefere ser visto como um líder. Agindo dessa forma, acredita ser o melhor modo para criar um ambiente de gestão mais colaborativo e com pessoas realmente comprometidas: “Usamos muito o termo CFO, mas eu gosto mais e uso internamente o termo LFO – Leader Financial Officer. Gosto mais de ver as pessoas como líderes do que como chefes. Então quando me perguntam o que sou, eu sempre respondo que sou o líder da área financeira da Olin para a América Latina”.

Irineu disse que o executivo de finanças deve estar sempre preparado, angariando conhecimento de forma constante. “Eu sempre falo para o meu pessoal que devem se preparar, ler, e principalmente, como estamos na área financeira, analisar os números antes de tomar uma decisão.”

Papel do CFO – O mentor disse acreditar que o CFO deve ter um entendimento do “grande quadro” e das interdependências existentes entre as várias funções de uma organização. Ele precisa ter uma compreensão profunda de como uma organização ou um negócio persegue seus objetivos de mercado e alcança seus resultados financeiros.

“Essa é a posição do líder financeiro, estar muito próximo ao negócio, ter esse business acumen, essa perspicácia para ajudar o negócio e não mais somente um guardião do dinheiro, de custo, mas como um fomentador de negócios”, arrematou.

O vídeo completo da live, com todos os pontos abordados, ficará disponível para acesso exclusivo dos associados do IBEF-SP.

Compartilhe:

Deixe um comentário