“O segredo das empresas está na valorização das pessoas”, destaca o CEO da Elektro

Para Giancarlo Souza, a escolha da carreira em finanças é bastante estratégica para a vida de um profissional. “Vocês estavam plenamente conscientes disso quando tomaram essa decisão?”, indagou o CEO da Elektro ao grupo de 30 jovens, que lotaram a sala do mentoring  realizado no dia 7 de maio pelo IBEF Jovem. A Elektro recebeu em 2018, pelo quarto ano consecutivo, o prêmio de Melhor Empresa para Trabalhar da América Latina pelo Great Place to Work.

A pergunta do CEO recebeu diferentes respostas dos jovens, desde aqueles que entraram em finanças por pura afinidade até quem tinha consciência da sua importância para a carreira. Giancarlo então compartilhou: “se eu pudesse mudar a minha trajetória de ponta-cabeça, eu teria a carreira financeira”. Contudo, os números só despertaram o interesse dele mais tarde. Na juventude, ele queria ser jogador de futebol profissional e depois se apaixonou por Engenharia Elétrica.

“Para um engenheiro eletricista, mudar para o setor químico seria algo difícil. Mas um controller pode exercer sua função em diferentes indústrias. Uma DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) é uma DRE em qualquer lugar”, observou ele, com bom humor, ao destacar que a carreira financeira é flexível em possibilidades. “Na escolha profissional, a emoção não pode ser o único fator. É preciso pensar e criar uma estratégia: ter a ‘carreira na mão’, como diria Helio Gianotti “, complementou o mentor.

Dos gramados para um crescimento eletrizante – Mesmo assim, o inesperado também pode levar ao sucesso. O CEO contou que sua escolha pela Engenharia Elétrica aconteceu por acaso. Inicialmente, ele buscou uma formação em Engenharia da Computação, considerada a “profissão do futuro” na época. Dedicou sua adolescência para tornar-se jogador de futebol profissional, sonho cultivado desde os 14 anos de idade. Em um dado momento, percebeu que o seu crescimento não aconteceria pelo mundo da bola.

Ele optou ao universo acadêmico e conseguiu aproveitar os créditos do início da formação, mudando para o curso de Engenharia Elétrica. Apesar de essa escolha não ter sido planejada em um primeiro momento, Giancarlo destaca que se identificou com a carreira. Foi um dos melhores alunos de sua turma e fez estágio no INSA (Institutos Nacionais das Ciências Aplicadas) em Toulouse, na França. Durante a faculdade trabalhava como Auxiliar de Almoxarifado na Itautec. Saiu assim que concluiu o curso, pois buscava exercer a profissão para a qual teria dedicado os últimos anos de sua vida, engenharia.

Entrou na Elektro em 2002, como estagiário. Sua atitude e foco nas entregas pavimentaram o caminho para uma ascensão meteórica. De estagiário foi promovido a Gerente de Distribuição numa das Regiões da concessão da Elektro, em seguida passou pela Gerencia de Infraestrutura e Frota e depois tornou-se executivo de Distribuição, atuando em várias localidades da área de concessão da companhia. Em seguida, virou gerente executivo de Engenharia e Operações e, posteriormente, Diretor de Operações de uma das empresas mais premiadas e reconhecidas do Setor Elétrico Brasileiro. Foi promovido ao cargo de CEO em setembro de 2017. Além da formação em Engenharia Elétrica, Giancarlo tem MBA em Gestão Empresarial Internacional pela FGV e Liderança na Indústria Global de Energia pela ESADE Business School.

De líder chefe para líder servidor – Ao pontuar um dos seus maiores desafios de liderança, Giancarlo destacou que a transição meteórica de estagiário para tornar-se gerente, aos 24 anos, tendo quatro coordenadores e mais de 300 pessoas em 56 municípios sob seu comando foi acompanhada de um duro aprendizado. Uma das razões pelas quais ele preza e aconselha que os jovens façam um planejamento de carreira para não deixar a ansiedade de fazer acontecer queimar etapas de amadurecimento. ”Tive que aprender a gerir pessoas quebrando a cara. Achei que seria demitido várias vezes, tive noites de insônia”.

Um dos fatores que facilitaram esse percurso de Giancarlo foi receber conselhos de um dos seus funcionários sobre a importância de valorizar as pessoas para alcançar seus objetivos. Um livro também fez diferença para o CEO naquela época, “O Monge e o Executivo”, no qual se inspirou para aplicar o conceito do “líder servidor”. Juntando os conselhos e o livro, ele entendeu que em vez de simplesmente perseguir metas, teria que quebrar um dos maiores paradigmas operacionais do acelerado mundo corporativo: parar a equipe para poder ouvir, motivar as pessoas a trabalhar sob sua liderança e envolve-los nas decisões.

Para isso, ele passou a dedicar 30 minutos por dia para fazer o que na Elektro é hoje chamado de DESC (Diálogo, Estratégia, Segurança e Comportamento), e duas horas por mês para fazer análise dos principais indicadores da empresa. Isso mudou sua forma de trabalhar: a questão era ter tempo para a equipe e melhorar a comunicação. O rendimento e a produtividade aumentaram e o esforço diminuiu. “Eu tinha uma equipe bem preparada e desenvolvida. Aprendi muito sobre a área técnica com essas pessoas, sendo humilde e cultivando a postura do líder servidor”.

Com isso, sua equipe evoluiu muito os indicadores da organização e Giancarlo recebeu mais uma promoção. Contudo, também foi preciso convencer outros líderes a mudarem de postura. A implementação do seu método de “parar e conversar com a equipe” levou cinco anos para ser aplicada por todos os gerentes. “E esse foi outro aprendizado: ao crescer, prepare sua equipe para tomar decisões sem você. Caso contrário, você fracassou”.

Conselhos para a carreira – Quebrar paradigmas, aprender com os erros rapidamente e ouvir as pessoas foram dicas de carreira que o CEO da Elektro ressaltou aos convidados. “Quando você enfrentar um momento desafiador, aprender rápido e escutar as pessoas é fundamental. Sejam elas mais velhas ou mais jovens: as mais velhas me ensinaram a lidar com os jovens; e as mais jovens me ensinaram como olhar para frente”, destacou Giancarlo.

Ele também ressaltou a importância de fomentar a inovação, mesmo em uma indústria estável e situada em um ambiente regulado, com preços administrados via órgão regulador. “Eu cultivo a inovação porque estou olhando um pouco mais adiante. Se eu não fizer isso, os jovens não vão querer trabalhar na nossa empresa. Os profissionais que estão chegando ao mundo corporativo têm espírito empreendedor. Eles querem arriscar mais e não ficar presos a um manual ou procedimentos antigos. Se você não entender isso, perderá seus melhores talentos e não acompanhará a evolução da sociedade”, contou. Ele destacou que, inspirada nos encontros de mentoring feitos pelo IBEF Jovem, a Elektro realiza palestras para os colaboradores com personalidades do mundo corporativo investindo no desenvolvimento dos seus talentos, além de incentivar a mobilidade nos países onde a Iberdrola (controladora da Elektro) atua.

O CEO compartilhou ainda com os participantes a importância de se ter empatia e aprender a trabalhar com pessoas com perfis comportamentais diferentes do seu aprendizado, que foi reforçado em uma dinâmica prática com o grupo. “Pense que as pessoas que mais te incomodarem por terem uma personalidade oposta da sua, podem ser aquelas com quem você mais aprenderá a tomar melhores decisões. Muito cuidado para não se cercar apenas de quem reforça o seu lado mais forte. O equilíbrio é fundamental”.

Valorização das relações humanas – Ao final do encontro, Giancarlo presenteou os participantes com o livro “O segredo do sucesso é ser humano”, autografados pela escritora Susanne Andrade. “Quando entramos na vida profissional, pensamos que somos leões. Mas não deveria ser assim. É possível entregar os mesmos resultados valorizando quem trabalha com você. O segredo do sucesso para uma empresa não é somente ter tobogã, patinete ou um ambiente físico moderno; é valorizar as pessoas”, arrematou.

O evento contou com a presença de João Marcio Souza, Vice-Presidente da Diretoria do IBEF-SP responsável pela pasta do IBEF Jovem. João destacou que o Instituto prepara várias novidades de conteúdo e parabenizou Giancarlo por tratar da humanização nas relações do ambiente corporativo, uma tendência crescente. O convidado foi anfitrionado por Paula Carneiro, analista contábil sênior da Elektro e membro do IBEF Jovem.

IBEF Jovem – O núcleo é patrocinado pela plataforma Antecipa, que determina, por meio de algoritmos e análise de dados, a taxa de desconto da antecipação de recebíveis para cada transação, usando um mecanismo de leilão por meio de uma avaliação da oferta e demanda. Saiba mais em: www.antecipa.com

 

 

 

 

Deixe um comentário