Prêmio Golden Tombstone 2020: Finalistas da categoria Debt apresentam operações

Em 15 de outubro de 2020, os três finalistas ao Prêmio Golden Tombstone – debt 2019 apresentaram ao vivo os detalhes das transações: Debênture Verde da Neoenergia, o Bond Exchange da Petrobrás, e o LBO da TAG. O Prêmio Golden Tombstone, patrocinado pela Deloitte, visa prestigiar os executivos que contribuíram para o mercado de capitais e fusões & aquisições ao longo dos anos. No total, mais de 45 transações foram analisadas pelos 14 membros da banca, composta por diretores e conselheiros do IBEF-SP, conforme explicou José Roberto Securato Junior. As demais apresentações dos finalistas ocorreram no dia 19 de outubro (equity) e no dia 21 de outubro (M&A).

Ronaldo Xavier, sócio da área de financial advisory da Deloitte, destacou o alto nível das transações selecionadas, considerando o cenário atual, em que a taxa de juros do mercado brasileiro está, em patamares extremamente baixos. “Vivemos um modelo de mudanças rápidas. Adaptação e reaprendizado rápidos são uma vantagem competitiva que estão presentes nos três finalistas”, destacou.

Debênture verde (Neoenergia) – Leonardo Gadelha, diretor de finanças e relação com investidores, e Alex Monteiro, superintendente financeiro, apresentaram a debênture verde de R$1,3 bilhão emitida pela Neoenergia. Esta foi a maior debênture verde do mercado brasileiro que foi a mercado junto com o IPO da companhia.

“Fazer uma oferta de dívida no mercado de capitais simultaneamente ao IPO foi desafiador. A nossa necessidade de capital combinada com uma alta competição por recursos fez com que buscassemos uma diferenciação para nossa debênture. O selo verde trazia esse diferencial”, disse Gadelha. O êxito na colocação da debenture verde foi fundamental para o sucesso do IPO. Gadelha destacou “a simultaneidade de conduzir um IPO e a emissão de debênture” como um dos pontos de maior inovação e complexidade da operação.

Exchange Offer (Petrobras) – Guilherme Saraiva apresentou a Exchange Offer 2019 da Petrobrás, cujas características são pioneiras na América Latina. A oferta consiste em uma   troca de títulos com utilização parcial de caixa (exchange offer with partial cash consideration), na qual a empresa trocou bonds antigos por novos bonds com prazos mais longos, porém, realizando parte do pagamento em caixa. As principais motivações incluíram a desalavancagem e extensão do prazo de vencimento da dívida da Petrobras. ” Queríamos desalavancar, mas não poderíamos comprometer a liquidez da companhia pois tínhamos US$ 3 bilhões para serem utilizados na parte a ser paga com caixa. Além disso, queríamos realizar uma operação relativamente rápida e na estrutura implementada, conseguimos executar em apenas 5 dias”, explicou Saraiva.

O Exchange foi exclusivo para investidores institucionais, enquanto que o varejo nos Estados Unidos foi atendido com uma oferta de recompra dos bonds. “A estrutura é inovadora e altamente complexa, envolvendo troca e recompra de títulos, ao mesmo tempo que contempla a precificação de um novo título”, disse Guilherme Saraiva. No total, foram contemplados aproximadamente US$ 7 bilhões em bonds com vencimentos entre 2023 e 2029 em troca de US$ 4,1 bilhões com vencimentos em 2030 e US$ 2,8 bilhões em caixa. 

Acquisition Finance (Tag) – A Tag emitiu R$ 14 bilhões em debêntures e USD 2.45 bilhões em um syndicated loan facility, parte de uma operação de LBO que contou com grande complexidade estrutural. A emissão foi parte do financiamento para a aquisição de 90% do capital da Tag por consórcio formado pela Engie e CDPQ, em processo competitivo de venda realizado pela Petrobrás. Sebastian Duffé apresentou a operação e seus três pilares de inovação: financiamento e hedging; estruturação; e termos e condições e competitividade. “Usamos 100% do fluxo do dólar para sizing da dívida em USD na modalidade de um hard-mini-perm usando 12 anos de fluxo de caixa”.

Duffé destacou que para operação foi feita uma estratégia de mitigação do risco cambial, com gerenciamento de risco contínuo. “O desafio está relacionado a pagamentos semestrais da dívida em USD, porém com receitas somente ajustadas uma vez ao ano”. Ele explicou quais foram os mitigantes de risco cambial. Fora a questão do hedge, outras complicações da operação envolveram a timeline, sendo que as negociações para aquisição da Tag duraram que 2 anos em função das incertezas e liminares. “Fixar condições de financiamento e ter um firm commitment foram grandes desafios considerando o processo de venda e timing da operação”.

Ao final do evento, a banca realizou perguntas sobre as operações.

Saiba mais sobre o Prêmio – O Prêmio Golden Tombstone, lançado pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo (IBEF-SP), tem o objetivo de incentivar e estimular o mercado, dando exposição às operações de captação de recursos nas empresas que se destacarem por sua relevância e inovação. O Prêmio é dividido em três categorias: Debt (operações de emissão de títulos de dívida); Equity  (operações de emissão de títulos de ações); e M&A (operações de fusões e aquisições).

A Comissão Julgadora do Prêmio avalia as operações considerando os seguintes critérios: complexidade da transação, inovação, dimensão e relevância, amplitude de mercados e jurisdições envolvidas, distribuição, impacto da operação no mercado, superação de barreiras para sua realização, criação de valor e precificação (pricing). 

A premiação dos vencedores por categoria ocorrerá no dia 12 de novembro.

Compartilhe:

Deixe um comentário