Tesouraria: Análise do case de disrupção na gestão de fluxo de caixa da Mastercard

A Comissão Técnica de Tesouraria e Riscos do IBEF-SP debateu o tema de disrupção na gestão de fluxo de caixa a partir da análise do caso da Mastercard Brasil.  A reunião técnica, realizada em 9 de novembro, contou com a participação de Cesar Teixeira, Controller na Mastercard Brasil, Ana Paula Maximiliano, VP Desenvolvimento de Negócios da Boost Brasil, e moderação de Igor Matos Bueno, líder da Comissão.  

case tratado se refere a uma solução que a Mastercard implantou para melhorar os seus controles internos e que impactou automaticamente tudo o que fosse relacionado à operação e ao fluxo financeiro desse processo. Cesar Teixeira explicou aos participantes como surgiu a demanda, por que houve um empenho em implantar essa solução e quais os ganhos financeiros e operacionais obtidos com esse processo.  

Desafios no contas a pagar – Ao contextualizar o tema, Teixeira explicou que a Mastercard enfrentava desafios na área de contas a pagar. Internamente, os processos eram manuais e “dependentes de terceiros em termos operacionais”. Com relação as dificuldades dos fornecedores, a situação era semelhante, o que tornava todo o processo mais complexo.

A empresa se encontrava operando em um “contexto manual e complexo, em uma cadeia demandando muito tempo, serviços e recursos, e precisando manter uma melhoria contínua de controle. Um trabalho cansativo para todos envolvidos”, destacou o controller.  

Segundo Teixeira as soluções ERPs presentes no mercado apresentavam processos muito burocráticos, custos elevados e uma série de demandas de implantação.

Pagamentos com cartão – A solução encontrada foi realizar os pagamentos com cartão, simplificando todo o processo, em parceria com a fintech Boost. Assim, foi possível reduzir diversas atividades operacionais para apenas um processo de troca de arquivos. “Tudo o que necessito é transmitido para a Boost em um único arquivo e essa se encarregará de processar os pagamentos. Quando o comprador realiza o pagamento, o fornecedor recebe o valor que lhe é de direito”, explicou o controller da Mastercard. 

A solução possibilitou um aumento de performance com o atendimento operacional de contas a pagar terceirizado, proporcionando, por exemplo, um único pagamento semanal, conciliação sistêmica, opção de antecipação de recebíveis para o fornecedor. “Dessa forma é muito mais fácil programar o fluxo de caixa, pois a data do pagamento efetivo é a data da fatura. Na Mastercard foi organizada a agenda de pagamentos que não é mais diária. O processo se torna mais simples, muito mais fácil, menos burocrático e se obtém uma otimização na utilização de recursos”, acrescentou Teixeira.  

Resultados – A redução do tempo para reconciliação passou de 20 dias para apenas 3 dias, ocasionando uma redução de 100% nos custos de reconciliação com terceiros e uma redução de 80% de recursos operacionais.   

Com relação à inadimplência com boletos, que no mercado que chega ao patamar de 60%, com a solução da Boost foi possível reduzir 100% dos custos de reemissão dos boletos e da cobrança. Além disso, a eficiência operacional com a automatização de processos e a melhoria na reconciliação proporcionaram um ganho operacional de até 80% e uma redução de 30% na margem de erros.  

“Em pesquisas se demonstrou que a solução foi extremamente aderente, pois ela facilita a vida do fornecedor e do pagador. No final do dia se recebe apenas um arquivo e se consegue controlar exatamente as contas a pagar. A solução da Boost sem sombra de dúvidas facilita a vida em termos operacionais, qualidade de informação, revisão de custos operacionais”, concluiu Teixeira. 

Plataforma automatizada – A VP Desenvolvimento de Negócios da Boost Brasil, Ana Paula Maximiliano, esclareceu que a empresa é especializada em tecnologias de pagamentos para o segmento B2B e está presente em mais de 38 países. Ela oferece soluções em uma plataforma automatizada para que compradores e fornecedores tenham maior controle financeiro, eficiência e segurança em suas transações. 

Maximiliano destacou que os serviços da empresa otimizam o capital de giro oferecendo maior oportunidade de aumento do prazo de pagamento e descontos por pagamento antecipado. Há possibilidade de melhoria na gestão e na qualidade da informação, pois os pagamentos são processados instantaneamente após a ordem e porque existe uma redução de processos manuais para suporte ao fornecedor.  

Simplificação para o comprador e o fornecedor – O envio do arquivo de pagamento é realizado diretamente do ERP do comprador – dispensando desenvolvimento técnico para integração ou implementação. A solução também possibilita  maior segurança ao comprador já que não são necessários o preenchimento de informações e o armazenamento de dados bancários ou de cartão.  

Para o fornecedor, a solução possibilita uma melhora na gestão do fluxo de caixa e a antecipação de recebíveis, além de incremento de eficiência financeira e operacional por meio da elaboração de relatórios customizados e detalhados (D+2) com informações necessárias para o processo de reconciliação, o que gera ainda uma redução de processos operacionais e margem de erro. “A solução da Boost facilita e aumenta a eficiência, principalmente operacional, do dia a dia do fornecedor, reduzindo os processos manuais, otimizando os recursos para diversas outras atividades, a fim de gerar uma maior eficiência geral para a empresa”, completou Ana Paula. 

Compartilhe:

Deixe um comentário