“A vontade e a intensidade de trabalho muitas vezes superam o talento”, destaca o CFO da OdontoPrev

Aos 45 anos, casado e com dois filhos, Luis André Blanco construiu mais de 20 anos de crescentes oportunidades na carreira de finanças. Blanco exerce, há 9 anos, o cargo de diretor administrativo e financeiro na Odontoprev, e participou do encontro de mentoring a convite do IBEF Jovem, na sede do Instituto.

A principal orientação do executivo para os associados foi sobre entrega. Ele lembrou aos jovens profissionais que o trabalho é bem feito quando existe vontade e doação para o aprendizado por parte de seus realizadores. “As pessoas investem em quem confiam e apostam no profissional que demonstra vontade de trabalhar… Por isso, acredito que a vontade e a intensidade do trabalho, muitas vezes, superam o talento”, disse.

Período de ascensão – A formação da bagagem de experiências profissionais de Blanco começou cedo, quando fez um período de estágio em uma empresa de consultoria. Porém, como todo jovem sonhador, o executivo desejava voar mais alto e mudar o ramo de sua atuação. Ele almejava trabalhar em bancos. Cursando o bacharelado em Engenharia de Produção na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com sua postura de comprometimento e vontade de aprender logo encontrou oportunidades em instituições financeiras. Foi o caso do Banco InterAtlântico.

“Aquela foi uma época em que o mercado de bancos me atraía. Então, assim que tive conhecimento sobre a abertura de um programa de trainee no InterAtlântico de São Paulo, onde ficava o front office, decidi me aplicar”, contou.

Novos ares – Blanco compartilhou que sempre foi muito convicto de suas decisões e, naquela ocasião, precisava de uma posição rápida sobre o seu destino no programa de trainee. “Principalmente porque eu já havia sido efetivado na empresa de consultoria e estava inserido em um projeto novo em Goiânia (GO). A mudança aconteceria em breve, então, não queria deixar toda a equipe na mão caso a resposta positiva ocorresse em uma data muito próxima à viagem que faríamos em cerca de um mês.” Ele sentia que tinha uma dívida de gratidão com a empresa de consultoria, pois esta lhe havia dado oportunidades importantes. Por exemplo, o apoio para se manter por seis meses estudando em Londres.

Blanco teve a coragem de questionar os executivos do banco que o haviam entrevistado – sendo um deles Roberto Castello Branco, atual presidente da Petrobras -, para que tomassem uma decisão rápida sobre sua possível aprovação. Eles gostaram da irreverência do rapaz de 21 anos e, na semana seguinte, Blanco começou sua primeira grande mudança com a chegada a São Paulo. Tal transformação levaria ainda mais movimentação para a vida do jovem, que foi o profissional da sua equipe a subir mais rápido de posição na empresa.

Em um novo movimento de carreira, dois anos depois, aos 23 anos, Blanco assumiu o cargo de diretor adjunto da NBT (Norte Brasil Telecom) recém-adquirida em Belém (PA). Lá, teve o desafio de lançar a operação de telefonia móvel de Banda B em sete cidades com mais de 200 mil habitantes dentro do período de um ano. “Foi difícil contratar mão de obra qualificada, o trabalho era bastante exaustivo, mas conseguimos cumprir o prazo. E, no segundo ano de operação já tínhamos lucro positivo, como indicava o ebitda”, relembrou Blanco.

Mudanças e muito trabalho – O executivo credita seu rápido crescimento na carreira à vontade de aprender. “Eu me dedicava a aprender tudo com os executivos com os quais trabalhava, inclusive os de outras áreas. Conheci bastante sobre a legislação do mercado bancário por meio dos meus chefes no InterAtlântico, por exemplo.”

Já nos anos 2000, década de transformação, foi convidado para assumir a gerência de divisão financeira do grupo da Tele Centro Oeste Celular (TCO) – que administrava a NBT -, empresa na qual se tornaria CFO. “Vivi a experiência de passar por outras áreas como contabilidade, interconexão, crédito e cobrança, contas a receber, fraude, faturamento e garantia de receita. Tudo porque tive muita vontade de aprender. Eu era meio esponja e absorvia tudo o que podia”, contou o executivo.

Segundo Blanco, a empresa crescia 20% ao ano, com margem de ebitda de mais de 40%. “Dominávamos todo a região Centro-Oeste, mas o controlador passou por alguns problemas e decidiu vender a empresa para a Vivo, atual marca da Telefônica Brasil”.

Então em 2003, aos 29 anos, o executivo foi responsável por montar a área financeira da Vivo, ajudando a unificar e centralizar as operações em São Paulo. “Quando cheguei, havia apenas um funcionário. Seis anos depois, eram 650 colaboradores na minha equipe.”

Novas oportunidades – Com o sentimento de dever cumprido, Blanco optou por deixar a companhia no final de 2009. O período de transição seria rápido, como aconteceu em toda a sua carreira.

Ele foi contatado por um headhunter que enxergou que o CFO tinha o perfil desejado para assumir este cargo na OdontoPrev. “Gostei da proposta e observei que a empresa era líder no mercado de ações. Então, em 2010, cheguei com a missão de fazer a integração com o Bradesco Dental, que tinha um crescimento considerável no segmento.”

Segundo Blanco, sua missão profissional é sempre deixar uma estrutura financeira eficiente. “As pessoas confiam em quem tem vontade de trabalhar e, além disso, é muito importante criar um protagonismo dentro da empresa”, afirmou.

Ao final do encontro, o CFO deixou uma mensagem para os jovens. “Sejam protagonistas dessa transformação pela qual estamos passando. E saibam que não existe receita. É apenas trabalho, saber onde você se encaixa e ser verdadeiro com você mesmo”.

IBEF Jovem – O núcleo é patrocinado pela plataforma Antecipa, que determina, por meio de algoritmos e análise de dados, a taxa de desconto da antecipação de recebíveis para cada transação, usando um mecanismo de leilão por meio de uma avaliação da oferta e demanda. Saiba mais em: www.antecipa.com

 

Leave a comment